sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

William Melo Soares

William Melo Soares é uma das vozes mais lúcidas e inconfundíveis da poesia piauiense. Tece, num estilo original e leve, uma poética socioambiental, numa época em que o planeta se encontra ameaçado pela mão do homem. O papel social de um poeta está ligado à competência com que se explora a língua no entender de Mário Faustino, que acreditava que um mal poema degrada a língua - e quando isso acontece a sociedade entra em decadência. Assim, um bom poema, ao contrário do mau poema, contribui para a construção da língua e elevação da sociedade. Esta é a contribuição da poesia de William Soares. William não canta um mundo caduco nem futuro, está preso à vida no tempo em que vive, como em seu poema estado de graça:

de algum lugar distante
até onde a vista alcança
margem do rio ou vazante
me deslumbro apreciando
a linha do voo brancura:
a garça rumo ao ninhal.

João Carvalho, puxando a orelha do livro Estado de Garça, lançado este ano pelo poeta William Melo Soares, com ilustrações e capa de Gabriel Archanjo. (A foto do poeta é de autoria de Kenard Kruel, no estúdio de Gabriel Archanjo).

2 comentários:

Valter Lima disse...

Bela construção este Estado de Garça, do ilustre poeta-amigo William Melo Soares. Muitas ou melhor dizendo, a maioria de suas composições poéticas retratam um real quadro-vivo, como se as palavras nos remetessem a viver a tela do que o poeta tem falado. lendo esse construção recente, logo imaginei um quadro como se estivesse na plantado estático numa beira-rio do Pantanal a observar a brancura majestal das garças num enorme ninhal. lembrei também de outra cena que faz parte de uma construção poética desse autor quando coordenava um projeto para a PMTeresina chamado poesia-no-ônibus, a citada construção poética intitulada "os nove meninos das águas" nunca me saiu da cabeça, pois as palavras contidas no texto foram que fio-condutor para eu estar presente no fatídico acontecimento. bela poesia aquela que nos faz enxergar uma tela-viva das coisas ditas. parabéns W. Melo...

Cinen de Sousa disse...

Poeta William, li o seu Estado de Garça. Li e reli, repetidas vezes... Até hoje continuo em Estado de Graça. Parabéns!!!