domingo, 27 de junho de 2010

Cineas Santos e a velha acomodação política

Quando falaram que o Cineas Santos fora convidado pelo prefeito Silvio Mendes para a presidência da Fundação Cultural Monsenhor Chaves eu disse que ele não assumiria e, se assumisse, não permaneceria muito tempo. Demorou toda a gestão do Silvio Mendes, apesar de todas as pressões para que ele fosse exonerado ou mesmo mesmo pedisse para sair do cargo. Quando o Elmano Ferrer, que era o vice prefeito de Silvio Mendes, assumiu por conta do titular ter saído para disputar o cargo de governador pelo PSDB, novas pressões foram feitas para o Cineas Santos ser exonerado do cargo. Ora, todos os auxiliares do prefeito Silvio Mendes foram exonerados automaticamente com a saída dele. Quem entende de administração pública sabe que é assim. Elmano Ferrer assumiu e o Cineas Santos continuou, mas eu já sabia que ele estava com os dias contados. Por que? Momento de eleição, como estamos a viver, tem a famosa acomodação política. E a Prefeitura de Teresina, em toda a sua extensão, virou moeda de troca para votos para o senador João Vicente e seus aliados. Cineas Santos tem o voto dele, apenas. E o meu, que ele pode direcionar para onde quiser, porque eu confio nele e sei que ele daria bom destino ao meu voto. Mas, a Laurenice França, que assumiu a presidência da Fundação Cultural Monsenhor Chaves no seu lugar, além da arte pela arte que ela tem, porque também é do ramo e conhece das nossas artes e artemanhas do ontem, do hoje, do amanhã e sempre, há o fato de ser mulher do prefeito de Monsenhor Gil, o meu particular amigo engenheiro José Noronha. Logo, nem pensar duas vezes para a famosa acomodação política. Agora, com o Cineas Santos, podemos dizer aquela famosa frase: nunca em tão pouco tempo e com tão pouco dinheiro se fez tanto. E, a maior de todas as obras de pessoas como o Cineas Santos, não é o visível mas o invisível. Mudança de hábitos, de costumes, de ações, de realizações, ou seja, de direcionamento. O que não deixa de ser também visível. A Fundação Cultural Monsenhor Chaves, com o Cineas Santos e sua equipe, mudou, e muito, de foco. Por que? o Cineas Santos é um promotor de eventos desde que o conheço e muito mais. Fazedor de eventos de maneira empresarial, com espera de resultados práticos e positivos. Ou seja, tem compromisso com o que está promovendo. Compromisso de fazer o que deve ser feito e para quem deve ser feito. Eis o seu diferencial. Isso dá votos? Nem sempre, porque, na maioria das vezes, fere interesses ocultos de forças poderosas. Mas dá a garantia do dever cumprido. Finalizando: pessoas como o Cineas Santos não dependem de cargo algum para fazer as coisas. Pessoas como o Cineas Santos não se engrandecem com cargo, seja qual seja. Pessoas como o Cineas Santos, pelo contrário, engrandecem qualquer cargo. E tenho tido. Portanto, velho ancião, cuca tranquila no travesseiro ao lado da amada companheira de tantas aventuras e desventuras. Comigo, e com um clã fiel de amigos e admiradores, pode contar sempre e sempre pelos séculos, Amém! Foto, acima, deste velho urso hibernador em sua Kenard Kaverna.

3 comentários:

Marcus disse...

Mais um voto. O meu, para o Cineas fazer o que bem entender. Se bem que eu acho que ele prefere só as amizades.

rm disse...

Um ditador... Já vai tarde. O período em que Cineas Santos ficou a frente da FCMC, só se fez cultura de interesses próprios. A Cultura do puxa saquismo. Vez ou outra mostravam quem eram, protagonizando escandalos dos mais absurdos possíveis. Fora Cineas!!! Gracias!!!

EMERSON ARAÚJO disse...

É, quem assume cargo público, pode não ser mesmo unanimidade. Gosto do Cineas naquilo que ele faz bem, ou seja, animar o pobre ambiente cultural de Teresina. Ah, ele não tem meu voto, não, mas tem a minha admiração. Quanto ao cargo público de confiança, ele é circunstancial e depende de barganha e contrapartida política. Breve esta Laurenice França (que sempre foi desafinada como cantora) cai do cavalo, breve, breve!